'Privacidade absoluta não existe em um mundo digital' afirma Especialista em Direito Tecnológico - Lucena e Milani Sociedade de Advogados

Lucena e Milani Sociedade de Advogados

Menu

'Privacidade absoluta não existe em um mundo digital' afirma Especialista em Direito Tecnológico

“Privacidade absoluta não existe em um mundo digital” afirma Especialista em Direito Tecnológico

Assertiva que choca em primeiro momento, o Advogado Dr. Jonatas Lucena faz questão de ressaltar que não existe uma privacidade absoluta em um mundo digital, fato que faz questão de sublinhar lembrando os recentes vazamentos sobre a operação “Lava Jato”.

Para o Especialista em Direito e Tecnologia, é pura idealização acreditar na privacidade do que digitalizamos. Em fato, o Advogado faz questão de alerta que sua assertiva não deva funcionar como um salvo-conduto a hackers e espiões que buscam roubar dados de maneira virtual, afinal, temos leis de responsabilidade civil como os artigos 186, 403 E 927 do Código Civil que visam punir criminosos cibernéticos.

A privacidade, em princípio, sempre foi objeto de preocupação. Todavia, seu grau decorre de diversos fatores – cultural, etário e econômico – e conciliar estas variáveis a questão é uma tarefa verdadeiramente complexa.

Entretanto, o Especialista em Crimes Cibernéticos, afirma que a privacidade não é um valor buscado por todos. Vaidade, desejo de popularidade e fama sempre foram em contramão ao conceito de privacidade. Na sociedade atual – com as redes sociais – o valor da superexposição trouxe à tona a democratização a quebra daquilo que era considerado privado.

O tema, no entanto, vai mais a fundo quando ponderamos a respeito de valores individuais e sociais, afinal fofocas cruzam o mundo em questão de segundo, o que para muitos é tido como regozijo, cabendo aqui o ditado popular “falem mal, mas falem de mim”.

Para o Dr. Jonatas Lucena, Especialista em Crimes de Internet, é preciso questionar e quiçá repensar o valor dado à privacidade de dados para a formulação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) aqui no Brasil. Em primeiro, porque a privacidade absoluta é utópica e demasiado impossível. Em segundo, porque o valor social da privacidade não parece ser claro, mas sim oscilante.