Lucena e Milani Sociedade de Advogados

Menu

Novo ataque cibernético é usado por hackers para escutar conversas de usuários

Novo ataque cibernético é usado por hackers para escutar conversas de usuários.

Segundo um estudo realizado por pesquisadores de segurança digital, o qual foi chamado de “Spearphone”, uma nova forme de ataque desenvolvida por hackers é capaz de escutar tudo que é dito por usuários de smartphone sem a permissão dos mesmos.

Após um período de longas pesquisas e estudos, Especialistas em Segurança Digital descobriram uma forma de explorar o acelerômetro do dispositivo móvel para fins de coleta de sons emitidos através do celular simplesmente bastante interpretar as vibrações.

O novo crime cibernético que a princípio parece ter um funcionamento complexo e de difícil compreensão é, segundo o Advogado Dr. Jonatas Lucena, Especialista em Direito Digital, muito simples de ser compreendido.

Em primeiro lugar é preciso entender o que é o componente chamado de acelerômetro. Presente em quase todos os smartphones, o acelerômetro é responsável por detectar se o usuário está se movendo ou se o aparelho está na posição vertical ou horizontal, por exemplo.

Segundo revelou as pesquisas realizadas neste ano, o alto-falante do aparelho normalmente está posicionado na mesma direção dos sensores de movimentos, o que possibilitou a eficácia do golpe pensando pelos cibercriminosos. Estando, portanto, os componentes muito próximos, a precisão com a qual as vibrações geradas chegam aos criminosos é de alta qualidade.

“Quando a vibração, uma sequência de ondas são geradas e podem ser facilmente interpretadas e traduzidas em texto”, explicou o Especialista em Crimes Digitais Dr. Jonatas Lucena que comentou ainda que durante a fase de testes da pesquisa revelou-se que o golpe consegue em 90% das vezes identificar o gênero das pessoas e acertar o nome dos usuários em 80% dos casos.

Em suma, o Especialista em Crimes Cibernéticos afirma que este golpe não se mostra muito eficiente para captar um grande volume de dados, afinal, informações como CPF, senhas, RG e demais informações importantes consistem principalmente em dígitos numéricos, o que dificulta a ação ainda mais criminosa destes hackers.

Ademais, é preciso salientar que diferente de outros golpes, este ataque se mostra muito sutil na forma como pode ser aplicado, afinal, aplicativos de celular não precisam ter permissão dos usuários para acessarem o acelerômetro. Desta forma, qualquer app infectado pode utilizar esta informação sem que o usuário tenha ciência.