Lucena e Milani Sociedade de Advogados

Menu

Menos de metade dos estudantes aprendem sobre segurança na Internet, segundo pesquisas

Menos de metade dos estudantes aprendem sobre segurança na Internet, segundo pesquisas.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), menos da metade dos estudantes de escolas públicas, 44%, receberam alguma orientação por parte de professores sobre como usar a internet de um jeito seguro. Ainda em menor porcentagem foi constatado que apenas 33% de professores já haviam falado algo sobre como agir se por ventura as crianças se sentissem incomodadas na rede.

Segundo a pesquisa realizada com cerca de 11 mil estudantes de todo o país, podemos averiguar que o cenário parece ser menos desolador em campo de escolas privadas. Com uma porcentagem que ultrapassa a metade, 68%, os alunos disseram que os docentes já os haviam ensinado sobre segurança na Internet, enquanto que 59% afirmam terem recebido orientações para agir caso algo os incomodasse.

Segundo o Especialista em Direito Digital Dr. Jonatas Lucena a maioria dos estudantes navegam sozinhos na web, em busca de informações variadas, boas ou más, sem que haja supervisão de qualquer responsável, o que compromete ainda mais a segurança dos menores de idade.

Ainda em comentários do Especialista, o ensino sobre tecnologias tange, no entanto, muitas vezes na infraestrutura escolar, onde a falta de computadores e um bom acesso à internet somente fazem os índices citados acima subir, sendo o caso ainda mais grave em escolas rurais.

“A infraestrutura é um dos grandes desafios para os educadores, tanto no que cabe à atualização de computadores, quanto na questão de velocidade de conexão. Algumas escolas, principalmente as de áreas rurais, nem se quer possuem conectividade para atender alunos e professores”, disse o Especialista em Direito Digital, o Advogado Dr. Jonatas Lucena.

E como consequência desta falta de estrutura, ao invés da sala de informática ser utilizada, os alunos preferem por utilizar a conexão que funciona perfeitamente em seus próprios celulares. E, portanto, é aí que mora o grande perigo. Afinal, não tendo noção sobre os perigos intrínsecos a web, estes menores de idade podem cair com facilidade em golpes administrados por cibercriminosos.