Jonatas Lucena Sociedade Individual de Advocacia

Menu

Falha de segurança põe em cheque a privacidade dos usuários de MacBook

Falha de segurança põe em cheque a privacidade dos usuários de MacBook.

Com as inovações na tecnologia e o uso constante e rotineiro de dispositivos moveis que trouxe inúmeros benefícios, a segurança e privacidade dos usuários de Internet se tornou algo extremamente frágil.

Com casos comuns que se aplicam a fragilidade da segurança digital, a empresa Apple se mostrou a mais recente vítima de cibercriminosos, tendo posto em xeque a vulnerabilidade que coloca em risco a privacidade de seus clientes. Nesta terça-feira (8), o Especialista em Crimes Digitais Dr. Jonatas Lucena, constatou que uma falha zero-day – brecha de segurança explorada antes que a empresa a solucione – foi encontrada no app de videoconferência Zoom, instalados em MacBooks.

O erro que, segundo o Advogado Especialista em Direito Digital, permite que websites forcem usuários a participar de videoconferências pelo Zoom, ativando a câmera do dispositivo sem a permissão dos internautas. Desta forma, qualquer website pode iniciar um ataque contra um MacBook tornando indisponíveis todos os recursos do sistema.

Para impedir que websites invadam a webcam, Especialista em Crimes Virtuais o Advogado Dr. Jonatas Lucena alerta para a importância de manter o aplicativo sempre atualizado e desativar a configuração que liga a câmera de maneira automática em chamadas de vídeo pelo app. Cabe aqui ressaltar que a simples desinstalação do Zoom não corrige a vulnerabilidade, afinal, o servidor do app continua no MacBook, podendo ser reinstalado automaticamente sem a permissão do usuário.

Em comunicado à imprensa, o Zoom informou que desenvolveu o servidor para eliminar implicações de cliques, uma vez que a Apple teria alterado o navegador Safari de modo que os usuários do app precisavam confirmar que queriam iniciar a videoconferência todas as vezes que iam usar a plataforma.

Em mesmo comunicado, a empresa afirmou que irá fazer alguns pequenos ajustes no aplicativo, de modo que, a partir de julho, o Zoom salvará as preferências de seus usuários para que o sistema entenda se o vídeo deve ou não ser ligado no momento em que eles entrarem pela primeira vez em uma chamada.