Lucena e Milani Sociedade de Advogados

Menu

A Inteligência Artificial no direito retrocedido pela OAB

A Inteligência Artificial no direito retrocedido pela OAB

Não há como negar que Inteligência Artificial (IA) chegou para ficar em todas as áreas da sociedade. E no mundo jurídico o cenário não é diferente. Há alguns anos as novas tecnologias tem transformado a forma de prestação de serviço e uma área especifica que trate do Direito e Tecnologia foi criada.

Há quem critique e quem defenda a criação de mecanismos de proibição, entretanto, a Inteligência Artificial já faz parte do nosso dia a dia e o ramo jurídico muda de forma a acompanhar as mudanças da sociedade, como foi em outros casos como o direito homoafetivo, trabalhista e previdenciário. A pergunta que fica portanto é, por que agora tem tanta resistência para o uso de novas tecnologias?

Para o Advogado Especialista em Direito e Tecnologia, Dr. Jonatas Lucena proibir e até limitar a IA é inviável, afinal estas novas tecnologias trazem diversas vantagens que otimizam o mercado de trabalho. Tanto que a não muito tempo atrás, o STF anunciou que irá utilizar a IA afim de reduzir o custo de manutenção de processos judiciais.

“Num futuro próximo a Inteligência Artificial poderá auxiliar advogados na tomada de decisões, assimilando problemas e processando informações com rapidez, afim de sugerir soluções para que os advogados possam tomar decisões mais inteligentes” comentou o Advogado experiente em Direito Tecnológico.

Entre os maiores interessados em impedir a utilização de tecnologias como chat bot, por exemplo, são as empresas de telecomunicações. Entretanto, um cenário que podia ter sido modificado com o pronunciamento da OAB sobre a criação de um grupo para fazer o trabalho de auto-regulamentação do uso da IA no exercício de Direito parece não ter sido um grande avanço para os Especialista em Direito e Tecnologia.

O presidente da OAB declarou que, “Não somos contra o desenvolvimento tecnológico e temos consciência de que ele é inexorável. Isso não quer dizer, no entanto, que vamos tolerar oportunistas que querem colocar a advocacia num papel marginal e subalterno através da massificação desordenada e desregrada dessas ferramentas”.

Em outras palavras o recado dado pela OAB além de se mostrar nitidamente contrário à disseminação da tecnologia as camadas mais populares, mostra uma clara proteção as empresas de telecomunicação uma vez que é nomeado como coordenador do grupo de IA o diretor da FEBRATEL.

Para o Especialista em Direito e Tecnologia, Dr. Jonatas Lucena é preciso que a classe jurídica compreenda o movimento econômico e social que significa a transformação digital, impondo sim o uso reduzido afim de valorizar os advogados.

“A IA surge para facilitar nosso trabalho e viabilizar mais tempo para os advogados fazerem o que mais importa: atender o cliente e fazer acontecer a paz social” comentou o Advogado Especialista Dr. Jonatas Lucena.